Ponte de Alamillo
Arquiteto
Ano de Construção
1989-1992
Localização
Sevilha, Andaluzia, Espanha
Algumas partes deste artigo foram traduzidas usando o mecanismo de tradução do Google. Entendemos que a qualidade desta tradução não é excelente e estamos trabalhando para substituí-los com traduções humanas de alta qualidade.

Introdução

A Ponte Alamillo foi projetada e construída entre 1989 e 1992 para a Expo Sevilha 92, pelo arquiteto Santiago Calatrava.

O projeto é apresentado como um “projeto incompleto” da Expo 92, já que deveria ser ainda mais espetacular. A idéia inicial incluía a criação de um irmão gêmeo, uma ponte idêntica inclinada de forma oposta no outro canal do rio Guadalquivir. Deste projeto inicial, somente foi possível construir uma,pois o orçamento não concebia o par.

Como na maior parte da obra de Calatrava, há uma certa polêmica sobre a obra, em especial sobre a sua estrutura.
Embora o mastro é concebido como um elemento que equilibra a ponte, tal como explicado no apartado “estrutura”, parece ser que em realidade a ponte é realmente autorresistente. A prova é que os cabos que suportam a obra não são apertadas no topo do mastro, ao contrário do que possa parecer.

Localização

A Ponte de Alamillo está na cidade de Sevilha, Andaluzia, Espanha.

Ela atravessa o rio Guadalquivir.

Conceito

Tem figura de harpa e apenas um braço apoia todo o seu peso.

Descrição

Com a implementação deste projeto por Santiago Calatrava, os seguintes objetivos foram alcançados:

  • Salvar o cais sem nenhum apoio intermediário, integrar a margem direita em Sevilha e gerar uma grande área de água, sem qualquer obstáculo, chegando com essas premissas à uma luz de 200 m, que entra no domínio técnico das pontes amarradas.
  • O estabelecimento de uma conexão predominantemente urbana e que serve como um marco ao desenvolvimento tecnológico e uma amostra da arte de construção no país.
  • Construir uma ponte que é um símbolo da Exposição Mundial e um novo monumento digno da cidade de Sevilha.

A parte superior do mastro, na verdade, é um ponto mirante. O acesso é através de uma escada interior que percorre o mastro. Foi reservado espaço para máquinas de um futuro elevador panorâmico exterior, e foram construídas portas conexão entre o elevador e a escada interior. Como é usual nas pontes de Calatrava, há uma zona pedonal, em este caso central, separada da área de tráfego de veículos.

A sua integração na paisagem enriquece o ambiente urbano do local, realizando com base de formas inteiramente de ligeiras que evitam a todo o momento a idéia de ponte como um elemento estático, com destaque para a sua impressão de movimento e seu design avançado, a combinação de tecnologia, engenharia e arte escultural. Tem figura harpa tem e apenas um braço que apoia todo seu peso.

Estrutura

É uma ponte estaiada.

Possui 140 metros de altura com uma inclinação de 58°, que dividem um par de suspensórios que apoia (de 300 m.de comprimento, o maior do mundo na época) e salvam uma luz (distância entre os pontos de apoio) de 200 metros.

Para construí-la foi utilizados uma da maiores gruas de terra do mundo na época, capaz de levantar 200 toneladas a 150 metros de altura.

Entre o mastro e o convés se produz um equilíbrio de forças, que é transmitido pelos 13 pares de suspensórios.
O seu princípio de funcionamento é o de uma balança em que o equilíbrio é obtido pelo colapso do mastro, um ângulo de 58° acima da horizontal.
É considerada a primeira ponte suportada por cabos, em que a plataforma está em relação ao peso da torre que está inclinada para trás.

Ela tem um comprimento total de 250 metros.

Materiais

Mastro

Mastro de chapas de aço hexagonal, reforçado internamente por concreto armado.

Tabuleiro

A placa é projetada com uma estrutura de metal e consiste em uma caixa central, em forma hexagonal, onde se encontram os ativos das correias.
Desta caixa partem umas costelas de metal de 4 metros, em ambos os lados, sobre a qual repousa uma laje de concreto que forma a placa onde deve mover o tráfego, são duas vias de três faixas cada.

Mastro e placa estão embutidos no pedestal de concreto sólido, fundada por 54 pilotis de 2 m de diâmetro e 48 m de profundidade. Estes pilotis são capazes de compensar os movimentos exercidos pelo mastro e o tabuleiro.

A inserção é feita através das transições correspondentes entre o concreto e o metal.

Cabos

Os cabos são formadas por 60 fios de 0,6 polegadas de diâmetro cada um, exceto o último par de 291 m de comprimento, que consistem em 45 vertentes. Os fios são cobertos por resina epóxi, e o cabo é envolvido por uma bainha de polietileno de alta densidade injetado nas zonas de fixação.

Tipos de ancoragem

A ancoragem ativa ocorre na parte inferior sobre os lados da caixa central do tabuleiro.

A ancoragem passiva está localizado na face do colapso do mastro, o que compensa o seu próprio peso dos esforçosde flexão provocadas pelas tiras, já que não há fios de retida.

Plantas

Fotos

Pin it
Pin it
Pin it
Pin it
Pin it
Pin it
Pin it
Pin it

Arquitetura é melhor explicada em imagens

Siga-nos no Instagram!